BURNOUT! Quando parar se torna obrigatório!

Publicado em 10/09/2020 por Filipa Jardim da Silva

Num minuto, estamos a trabalhar; no seguinte, já não conseguimos funcionar. Em 2016, o burnout afetava 13,7% das pessoas ativas em Portugal. Segundo dados da Associação Portuguesa de Psicologia da Saúde Ocupacional, 13,7% das pessoas ativas em Portugal estavam em estado de burnout em 2016. No mesmo ano, 82% estavam em risco elevado de entrar em estado burnout, 11% em risco moderado e 3% em risco médio.

O stress ligado à actividade profissional é o segundo problema de saúde directamente causado pelo trabalho mais frequente na Europa. E quando toda a gente se queixa de stress é tentador naturalizá-lo como uma condição universal. Mas existe uma diferença entre o stress adaptativo e o stress patológico: a intensidade e a duração. A prevenção e auto-observação são fundamentais para conseguirmos evitar o “transbordar do copo”.

O que é então o Burnout? 

É um esgotamento físico e mental que está ligado ao exercício da profissão em condições físicas, emocionais, cognitivas e comportamentais desgastantes e acima da capacidade da pessoa lidar com elas.

Os sintomas dividem-se entre físicos, psicológicos e comportamentais. Alguns  dos principais sinais de alerta: fadiga crónica, dores de cabeça, tensão arterial alta, problemas metabólicos, alterações na tiróide, modificações do padrão do sono e do padrão alimentar, concentração e atenção diminuídas, preocupação constante, sintomas depressivos, maior probabilidade de doença física e possíveis alterações de humor. Adicionalmente importará notar os sinais de desapego presentes, tais como: perda de prazer, pessimismo, isolamento e desligamento dos outros. Num terceiro nível, surgirão sinais de ineficácia e um sentimento de falta de realização pessoal.

Habitualmente, as principais causas de stress relacionado com o trabalho são: duração do horário ou volume de trabalho, insegurança/instabilidade, falta de apoio para cumprir as suas funções e pouca autonomia; comportamentos de bullying ou assédio; falta de clareza sobre funções e responsabilidades.

Da dedicação apaixonada ao desespero

Habitualmente na génese de um quadro de burnout está uma enorme dedicação à profissão. Partindo do encantamento e da paixão por aquilo que se faz, há um desejo de melhorar mais e mais e de ter um desempenho reconhecido.

O burnout tem três dimensões.

  • exaustão emocional, caracterizada por uma falta de energia e um sentimento de exaustão a nível emocional, em que a pessoa sente que esgotou todos os seus recursos internos para lidar com situações diárias, predominando uma incapacidade para participar nos contextos que o rodeiam.
  • Perda de autorrealização, em que se destacam sentimentos de fracasso, em que o trabalhador faz uma avaliação negativa e exagerada relativa ao seu trabalho. 
  • Por último, o cinismo, em que se verifica um distanciamento cognitivo face aos outros, nomeadamente indiferença e frieza, e até atitudes negativas como responder mal.

Estratégias para prevenir e dar resposta ao Burnout

Ainda que muitos profissionais se resignem a elevados níveis de stress no seu dia-a-dia profissional, é importante fomentar um equilíbrio entre vida pessoal e profissional, prevenindo assim o burnout. Para isso precisamos de estar dispostos a parar e escutar aquilo que o nosso corpo e a nossa mente têm para nos dizer e para nos pedir, a cada momento.

Quer seja a nível individual, social e organização é importante nos mobilizarmos activamente no nosso auto-cuidado.

Recomendações práticas

1. Reorganize o seu horário de trabalho respeitando limites e contemplando pequenas pausas ao longo do dia para se hidratar e alimentar convenientemente. A cada hora, pare por 60 segundos para colocar o foco na sua respiração e no seu corpo e assim alternar o modo fazer com o modo sentir/ser.

2. Aprenda a delegar: evite concentrar em si um número de tarefas e responsabilidades excessivo, por muito que goste do que faz e por muito que lhe custo abdicar de controlo.

3. Privilegie o tempo de descanso: reserve entre 7 a 9 horas para dormir com qualidade, procurando desacelerar antes de adormecer, investindo numa boa higiene do sono.

4. Cuide das suas relações sociais de forma regular.

5. Desenvolva uma atitude Mindful: procure, no seu dia-a-dia, prestar atenção consciente a si, numa lógica de aceitação, compreensão e curiosidade. Desta forma, será mais capaz de responder adaptativamente às suas necessidades físicas e psicológicas.

6. Reserve espaço na sua agenda para actividades prazerosas e de lazer.

7. Exercite-se cerca de 30 minutos diariamente, num ritmo moderado.

8. Adopte uma alimentação variada e equilibrada.

Espero que tenham gostado e acima de tudo tomem atitudes em vossas vidas para estarem mais calmos e saudáveis.

Até uma próxima!

22 respostas para “BURNOUT! Quando parar se torna obrigatório!”

  1. sikis izle disse:

    If you want to use the photo it would also be good to check with the artist beforehand in case it is subject to copyright. Best wishes. Aaren Reggis Sela

  2. poland disse:

    I appreciate you sharing this blog. Really looking forward to read more. Want more.

  3. porno disse:

    If you want to use the photo it would also be good to check with the artist beforehand in case it is subject to copyright. Best wishes. Aaren Reggis Sela

  4. Aloisia disse:

    I have read so many articles about the blogger lovers however this article is truly a good piece of writing, keep it up. Aloisia Hizar

  5. erotik izle disse:

    Wow, great article post. Much thanks again. Keep writing.

  6. Sianna disse:

    Thank you for your article. Much thanks again. Awesome.

  7. sikis izle disse:

    Sweet internet site, super layout, really clean and apply genial.

  8. film disse:

    I wish to show some thanks to the writer for bailing me out of this particular scenario

  9. film disse:

    Sometimes, the sheer magnitude of the information seems overwhelming. Chelsie Ced Chester

  10. Jgscinola disse:

    powerpoint presentations an essay with a thesis statement custom writings

  11. eros disse:

    Appreciate you sharing, great post. Really looking forward to read more. Much obliged.

  12. izle disse:

    Glenda does a wonderful job and her prices are more than fair

  13. LAINA disse:

    Dead pent content , thanks for selective information

  14. bella disse:

    This one is amongst my favourites shona. I think I started thinking for the first time when I read Ayn Rand. Not that I agree with her politics

  15. bernadete disse:

    Muito obrigado pelo seu artigo. Estou realmente ansiosa para ler mais. Ótimo.

  16. cristina disse:

    Parabenizo como alguém que está com você há um bom tempo, desejo-lhe tudo de bom e sucesso em seus empreendimentos futuros

  17. cele disse:

    I am really grateful to the holder of this site who has shared this wonderful paragraph at at this time. Cele Skell

  18. download disse:

    Thanks for the article. Really looking forward to read more

  19. stephana disse:

    Valuable info. Lucky me I found your website by chance, and I am shocked why this twist of fate did not took place earlier! I bookmarked it.

  20. movies disse:

    Looking forward to reading more. Great post. Really thank you! Awesome. Allegra Creighton Rambow

  21. 2021 disse:

    uwazam tak samo. bardzo dobry poradnik. pozdrawiam.

  22. Pierre disse:

    Ma bucur mult ca ai venit cu aceste idei si acum sunt mai optimista in a sti ce e frumos sa oferi in aceasta perioada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Compartilhe esta matéria!

RSS
E-mail
Facebook
Twitter
LinkedIn





Instagram da Andressa


Translate